DSC_0317-m

Um dos meus lugares favoritos em Chicago é o Art Institute sem sombra de dúvidas. Eu realmente poderia passar tardes inteira por e ainda não ia me cansar. A energia do lugar é incrível, sem falar da quantidade (e variedade) de obras de arte no acervo do Instituto.

A entrada não é muito barata, ainda mais se você levar em conta que é meio impossível ver o museu tudo em um dia (e a cotação do dólar!). Quando eu falo em “ver” é parar na frente das obras que você gostar e “apreciar”, porque caso você só queira dar uma “olhadinha”, é capaz que dê um dia só.

Na última vez que vim pra Chicago, quando estava tudo branquinho da neve, fomos no museu e me apaixonei por tudo e, por isso, não podia deixar de ir de novo. Então eu e minha tia, resolvemos almoçar por lá e depois passear um pouquinho.

DSC_0285-m

Dentro do Art Institute existe um restaurante chamado Terzo Piano (que significa 3º andar em italiano e é lá mesmo onde ele fica). A decoração do lugar é incrível e os pratos parecem obra de arte também!

Outro ponto muito legal do restaurante é que ele tem uma vista muito bonita para a cidade e dá para sentar na varanda e ficar admirando como Chicago é linda (ainda mais no verão!).

DSC_0278-m

DSC_0282-m


Não sei se já contei para vocês, mas durante muito tempo da minha vida achei que ia acabar estudando arte e trabalhar em museus, porque sempre amei muito história da arte. Por isso me encanta tanto ir em museus, eu consigo ver o que passei boa parte da minha vida lendo sobre

DSC_0306-m

Uma das exposições que queria muito ver era a Degas: at the Track, on the Stage, onde alguma das obras mais famosas do Degas estão expostas. Ainda que eu goste muito mais do pós-impressionismo, fiquei muito emocionada quando vi as bailarinas nos quadros e nas esculturas.

DSC_0308

DSC_0309-m

DSC_0289-m

Outra coisa que me faz amar muito o museu, é o fato dele ter algumas obras do Van Gogh, que é de longe o meu artista preferido e de isso é desde pequenininha! Então toda vez que vejo algum dos quadros dele, me sinto muito conectada com toda a história dele e tudo que ele representa pra mim e para o mundo.

DSC_0301-m DSC_0286-m DSC_0319-m DSC_0315-m

Como o museu é gigantesco, não conseguimos ver tudo (o que não tem importância pra mim, porque é mais uma desculpa para dar mais uma passadinha por lá mais uma vez! E como eu vou dar mais uma passadinha lá, volto aqui pra contar mais sobre o meu museu de arte preferido de Chicago <3

Hello! Estou há séculos sem aparecer, né?! Mas basicamente é porque estou me divertindo muito e acabo ficando longe do computador (inclusive do netflix, vocês acreditam?). Eu estou adorando morar na faculdade, achei que ia ser estranho no começo, mas é uma experiência incrível. Claro que em algumas vezes isso irrita, porque tem barulho o tempo todo, tem gente o tempo todo no quarto, e nem sempre você se sente em casa… É meio como se você estivesse em um colónia de férias, não sei, haha.

As aulas estão indo bem, aqui eu estudo ciências políticas, já que direito é pós-graduação aqui nos Estado Unidos, então eu estou aprendendo várias coisas novas e muitas coisas sobre a política daqui, coisa que eu não fazia ideia. Não sei dizer se o meu inglês melhorou já, mas não estou sentindo vergonha de falar, coisa que eu super sentia no começo, tentava falar o menos possível.

Já fiz vários amiguinhos por aqui, que me deixou super feliz. Além dos intercambistas, conheci muitas pessoas legais daqui (e vira e mexe coloco videos no meu snap: gmichelato). No começo foi muito difícil, não entendia muito bem a dinâmica social, porque as coisas aqui são super segregadas e eu me sentia bem mal no começo. Mas a fase difícil já passou e agora tá tudo bem e estou bem feliz.

Eu sei que devia ser mais responsável e postar mais, mas eu basicamente estou vivendo e aproveitando todos os momentos que tenho aqui e, consequentemente, acabo “abandonando” o blog. Vou tentar me organizar e postar tudo que tenho preparado, mas sem expectativas, viu?! Tentarei fazer assim que possível um textão respondendo dúvidas (e um video também!).

1925272_10151954353802314_1556794269_n1

créditos: http://lucyknisley.com

Sempre tive medo de me considerar nerd e dizer em voz alta “oi, sou nerd”. Na verdade, sempre falei coisas como “eu gosto de algumas coisas nerds”, ou raramente “eu sou meio nerd”, mas dizer “oi, meu nome é Giovanna e eu sou nerd” nunca

Nunca tinha parado pra pensar o motivo, mas me lembro de uma das únicas vezes que disse isso em voz alta e um “colega” (homem, de 20 anos) riu da minha cara, como se dissesse que eu “não poderia ser nerd”, como se meninas não fossem “nerds de verdade”.

Então, eu que apresentava um podcast sobre Doctor Who há pelo menos 2 anos, que nasci cercada de HQs, que gasta uma quantia bacana nessa “industria”, não era considerada ser “merecedora” de ser parte dessa comunidade por ser menina.

Desde então, nunca mais me ocorreu me intitular nerd, mesmo consumindo e vivendo essa cultura 24 horas por dia e 7 dias por semana. Eu fui silenciada, reduzida à minha condição de mulher que basicamente é: não me enfiar em um espaço que não sou bem vinda e que possivemente seria oprimida. Porém, o jogo virou, meus caros.

Ontem a minha internet explodiu. Fui dormir sabendo que ia acordar e teria muita coisa pra ler/ver. O que aconteceu foi, o Anticast publicou o podcast 198 – O Machismo (e outras coisas) no mundo nerd. No qual o Ivan resolveu abrir um espaço para discutir o que fingiam que não existia. E ele não fez só isso, ele mostrou e fez uma coisa que é muito difícil: ver que seus (e os meus) “ídolos” estavam ajudando na manutenção desse “”espaço”” machista que é o mundo nerd. E quando eu digo ajudando é não só fazendo uma piadinha machista a cá e acolá, mas não se pronunciando ou não fazendo nada para que esse machismo parasse. Inclusive, a inércia de um dos meus podcasts preferidos, acabou fazendo com que o Pink Vader encerrasse suas atividades.

Eu, inclusive, fiz uma lista recentemente contando quais eram meus podcasts preferidos e lá estava o Nerdcast. Para vocês terem uma ideia de quão fã e eu sou deles, eu dei uma ~choradinha~ quando encontrei o Azaghal pela primeira vez, porque ~sou dessas~. Eles produzem um conteúdo muito bom, mas que dá uma grande derrapada diversas vezes nesse quesito (e em vários outros). Não vou apontar dedos, o que eu quero fazer aqui é dizer o meu lado.

Sendo uma mina que gosta da cultura nerd, eu sempre carreguei nos ombros um medo gigante de ser uma farsa, de ser diminuída por algum menino. Sempre me senti na obrigação de saber muito sobre determinado assunto, para que não me falassem que eu “não era nerd” por não saber um determinado fato (que na maioria das vezes ninguém sabia). Ser uma menina que “gostava da cultura nerd”, sempre me colocou um peso de que eu precisava ser perfeita, porque havia uma cobrança de saber tudo, de estar sendo investigada o tempo todo, porque não há como uma menina gostar de X-Men ou de Star Wars ou de Doctor Who quanto um homem. Lembro até hoje quando topei participar do podcast do Universo Who, morrendo de medo de “meter meus pés pela mão”, ou algo assim. Por sorte, o Matheus sempre foi um cara incrível que sempre me incentivou.

e913835d15fc59871ddee4bf30001108

ilustra linda e maravilhosa da também maravilhosa Duds!

E não para por aí… Ontem mesmo, eu fui jogar video game com uns amigos e eu ganhei. De todos. Estávamos jogando “Injustice: Gods Among Us” e ganhei 3 das 4 vezes que joguei (perdi para ume menina!). Joguei com a Harley Quinn, porque eu tenho um trato comigo mesma que só jogo com personagens mulheres quando há a opção (que são raríssimas vezes, já que somos super mal representadas nos games). Mas, enquanto eu ganhava dos meninos, via o desespero na cara de cada um por “estarem perdendo de uma menina”, coisa que não é a primeira vez que eu presencio. Inclusive, quando jogo Mortal Kombat com o meu namorado e com o meu cunhado, sempre jogo com a Sonya Blade (e eles não fazem mais essa cara porque já desconstruí).

E olha, eu acho que um dos grandes motivos pra não termos tantas meninas ganhando de meninos no video game é porque temos “vergonha” e “medo” de entrar nesse mundo por causa desse machismo todo. Hoje, parando e pensando, eu acho a Malena uma puta de uma mina forte por ser uma grande YouTuber no meio de uma cultura machista e repressora. Tem tanta mina aí que tem que esconder que é garota pra conseguir jogar online e não ser abusada por outros jogadores…

Queremos mais representantes-mulheres na cultura nerd. Tanto nos games, quanto nos HQs e nos cinemas (e em Doctor Who!). E queremos que essas representantes não sejam erotizadas, queremos alguém para as minas e não mais um objeto de desejo dos homens. Não queremos mais roupas coladíssimas, corpos sensuais e uma Princesa Leia escrava all the time. Queremos mulheres fortes, queremos (mais) jogos protagonizados por mulheres. E mais do que isso: queremos nos intitular nerds sem ninguém meter o bedelho e tentar regular o que a gente gosta e deixa de gostar! Queremos ser livres pra gostar do que gostamos.

9781941367032in01gp-600x243

Eu fico extremamente aliviada pelo Ivan ter dado o espaço pra discutirmos algo que todo mundo fazia vista grossa, fingia que não via. E eu espero, de coração que não só os podcasters, mas sim todos os nerds aprendam que as minas também podem! E não só como podemos, mas que vamos continuar nos intitulando nerd. E obrigada, de novo, Ivan, por ter me dado a coragem de me chamar de nerd de volta (: _inclusive, ontem fiquei na fila até meia noite para conhecer os novos produtos de Star Wars e fiquei triste por nós, meninas, sermos menos de 10% das pessoas na fila ):

******Por favor, não deixem de escutar esse Anticast (e todos os outros) e dar uma atenção especial para podcasts feito por garotas, como é o caso do Mamilos!******

image1-1024x683

Cá estamos aqui, depois de um ano para, de novo, celebrar o Blog Day! Blog day? SIIIIIM, e vou usar a descrição do Rotaroots para explicar pra vocês:

Blog Day é uma iniciativa internacional que incentivar a divulgação de blogs bacanas entre blogueiros. A escolha data vem por causa dos números, que “parecem” com a palavra blog: 3108.

Já que o site oficial que promovia o Blog Day acabou, nós, as maravilhosas do Rotaroots resolvemos realizar, pelo segundo ano, uma homenagem e pedimos pra todo mundo chegar junto e participar essa festa maravilhosa!

E já que eu não sou só “dona” de um blog, mas também seguidora de vários blogs maravilhoso, vim mostrar um pouquinho dos meus preferidos <3

 

5 blogs que não saem do meu feed

PicMonkey Collage2

  • Pode Chamar de Duds: esse blog poderia estar em qualquer uma dessas categorias, na verdade. Só que pra mandar a real, esse blog mora é no meu coração <3 Assim como a dona dele, que é a rainha dessa blogosfera toda. (e ela tá colorida só porque ela é um minion ok?)
  • Melhor não falar nada: na verdade eu nem tenho muito o que dizer desse blog, hehe. Conheci a Bessie há algum tempo e me apaixonei pelo espaço dela. Acho que o blog dela é meio parecido com o meu, me identifico com tudo que ela posta, então rola essa identificação automática, sabe?! Algo muito bonito, hihi.
  • BMRTT: também conhecido com o blog da menina mais querida dessa blogosfera toda. A Bá é muito fofa e querida, tá sempre sendo linda pela internet toda!
  • coffee, rock and beer: cheguei nesse blog por recomendações de outros blogs e ó: gamei. Leio sempre que tem algo novo e não consigo parar!
  • Um Ano Sem Zara: depos que a Jojo (e eu) começou a morar nos Estados Unidos, comecei ler tudo que ela escreve como nunca antes. Ela sempre dá dicas bacanas de lugares pra ir e para comprar coisas aqui nos EUA, eu adoro (:

5 blogs que conheci pelo Rotaroots

PicMonkey Collage1

  • Querido Click: um blog amado por mim e por todo mundo que conhece a Nina!
  • A Life Less Ordinary: conheci o blog da Cacá recentemente e o que posso dizer sobre esse cantinho que mal conheço mas já considero pacas????
  • Katherine Padilha:  tudo lindo, tudo maravilhoso, sempre. Me “aproximei” desse blog por também já que a dona dele estava fazendo intercâmbio assim como eu iria fazer. De lá pra cá, só amor!
  • Entre batons e caféa Cris é incrível e sempre provoca umas reflexões bacanas, do jeitinho que eu gosto!
  • Alma Camponesatutoriais incríveis, dicas incríveis e fotos incríveis.

5 blogs para sair da rotina

PicMonkey Collage3

  • Strawberry Fields: cheio de doçura e feito com muito amor <3
  • Um Novo Destinoa Ale mora na Ucrânia e li basicamente todo o blog para me “preparar” para as mudanças que viriam na minha vida. Obrigada pela força!
  • Lemon Tea Please!: assim como fiz com o blog de cima, li todo o blog da Suemi pra entender a minha mudança e foi muito gostoso. Recomendo muito.
  • Pequenos Monstrosdefinirei meu amor por esse site como: ~quando crescer quero ser igual eles~.
  • GWS: quando eu conheci a Carol Guido, no começo desse ano, comecei a ler o GWS com muito afinco, já que ela falava tão bem dessa projeto que ela amava. Agora ela é internacional, tem um canal bafo no YouTube, mas meu amor pelo GWS continua.

Blogs que ainda moram no meu coração:

PicMonkey Collage4

Sobre esses: não tenho o que falar, apenas o que sentir <3 Tanta gente maravilhosa que tá ai, me fazendo companhia na vida sem mesmo saber durante tanto tempo! Eles foram os indicados do ano passado e continuam aqui comigo, na minha listinha do coração:


É assim que eu, Giovanna Michelato, termino o BEDA de 2015: com uma listona de blogs incríveis. Eu espero que daqui pra frente a blogosfera consiga parar, pensar, e refletir o que tá fazendo. Tem muita gente linda por ai, só desejo sucesso pra todo mundo que faz parte dessa comunidade linda <3

beda

Mas olha só, falei que ia voltar aqui hoje pra contar uma novidade e voltei! E voltei pra ~anunciar~ uma coisa que queria fazer há muito tempo mas que não rolava por falta de tempo e que agora vai engrenar (se a deusa quiser, haha)!

Eu amo muito o YouTube e já falei isso váááárias vezes e vocês tão cansados de ouvir. Acho uma plataforma incrível, tanto pra produzir conteúdo quanto para consumi-lo. E acho bem legal o fato que eu faço as duas coisas, ou seja, produzo videos e passo grande parte do meu tempo vendo videos de outras pessoas. Porém, produzir conteúdo pro YouTube geralmente leva mais tempo do que produzir conteúdo para o blog, infelizmente, e por isso acabo fazendo menos que gostaria.

Mas os tempos mudaram, minhas queridas e meus queridos. Agora vai ter video novo toda quinta-feira! SIM, você leu direito, toda quinta feira você pode acessar meu canal do YouTube, as 11h, e ver um video novinho e fresquinho feito com amor e carinho pra você <3

Tentarei variar o máximo possível, porque eu acredito que vocês não estejam aguentando mais assistir Fragmentos, que é basicamente a única coisa que venho postado por lá. Mas sempre na primeira quinta-feira do mês, o video será Fragmentos, por motivos óbvios. (Se você não sabe o que esse projeto é, clica aqui e venha conhecer mais sobre! Espero que goste!).

Então, tirando essa data, vocês sempre terão um video novo e sobre alguma coisa randômica. Mas como eu não sou um poço de imaginação, precisarei de sugestões!! Inclusive, estou reunindo perguntas sobre o intercâmbio para responder no YouTube! Por isso: deixem nos comentários suas dúvidas que eu responderei.


Para deixar todo mundo ~a par~ dos videos, postarei aqui no blog na semana seguinte, mas não se esqueçam de se inscrever no canal para ver tudo fresquinho e direto da fonte ;)

O video ~da vez~ é o Fragmentos de julho, que como eu disse que aconteceria no de junho, começou no Brasil e terminou aqui nos EUA. Então ele é mais que especial, porque reúne meus últimos dias na minha casinha, minha despedida e toda a minha viagem pra cá. E é claro, os dias que passei com a minha irmãzinha aqui em Chicago.

São fragmentos muito bonitos da preparação e do começo dessa minha aventura, então é tudo muito querido por mim <3 Então espero que vocês gostem tanto quanto eu gostei de fazer, porque eu fiz com muito amor e carinho (e um bucadin’ de lágrimas!). Não se esqueçam de se inscrever no canal, vou ficar hiper feliz se o fizerem, hehe.

beda